Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 21 de agosto de 2012

ENSINO 1


GRUPO DE ORAÇÃO

Amados, quero iniciar este ensino com as seguintes perguntas:
Grupo de Oração: Para que existe? Qual a sua finalidade?
Ele existe:
  • Para reunir pessoas a fim de louvarem a Deus?
  • Para reunir irmãos na fé com a finalidade de passarem um tempo em oração e alimentarem-se da Palavra de Deus?
  • Para que os participantes possam orar no Espírito e alcançar bênçãos divinas?
  • Para dar oportunidades às pessoas de orar e, na oração, serem curadas de seus males físicos, psíquicos e morais?
  • Para que, na oração, se convertam a Deus e a seus irmãos?
  • Para que mais? Qual seria sua resposta? Você está seguro de qual seja a finalidade do grupo que coordena?
É preciso ter idéias claras, objetivas e seguras, a fim de poder cumprir com a sua missão. Para poder determinar a finalidade do grupo de oração, para que existe, é preciso formular e responder a outra questão: qual é a finalidade da Renovação Carismática Católica na Igreja e no Mundo?

Finalidade da Renovação Carismática Católica

O Espírito Santo suscitou a Renovação Carismática Católica na igreja para “provocar e fazer acontecer” uma graça profunda e forte de “renovação da vida cristã” a partir de dentro dos corações. Graça que transforme e renove progressiva, dinâmica e permanentemente a vida cristã. Como conseqüência, provoca uma renovação pessoal nos relacionamentos com Deus, com a família, com a Igreja e com a sociedade, para tender ao estado perfeito da vida cristã, segundo o modelo, que é Jesus vivo (cf. Cl 3,9-10).
A finalidade da RCC é provocar uma explosão da graça batismal para que o cristão viva sua vida cristã com profundidade, radicalidade e grande poder.
A missão da RCC é fazer acontecer, hoje, nos cristãos, aquela benção transformadora que ocorreu com os Apóstolos e discípulos do Senhor Jesus no dia de Pentecostes (Cf. At 2,1-13).
 È fazer acontecer, na vida dos cristãos, o pentecostes pessoal com todos os seus efeitos de transformação da vida cristã, levando-a à plenitude e transbordamento apostólico.
É fazer acontecer um novo Pentecostes, hoje na vida da Igreja, “pela sua afeição e abertura à pessoa e à obra do Espírito Santo, a Renovação Carismática foi aprendendo a ser, verdadeiramente, como rosto e memória  de Pentecostes como sinal da atualidade e da perenidade de Pentecostes”.

Finalidade do Grupo de Oração

A finalidade do Grupo de Oração é a mesma da Renovação Carismática. O Grupo de Oração existe para fazer acontecer o pentecostes pessoal e para cultivá-lo, fortalece-lo e leva-lo à maturidade. O Grupo de Oração existe para provocar e fazer acontecer aquele processo poderoso de renovação espiritual que transforma a vida pessoal do cristão e todos os seus relacionamentos com Deus, com a família, com a Igreja e a comunidade.
O objetivo do Grupo de Oração é levar todos os participantes a experimentar o pentecostes pessoal, a crescer e chegar à maturidade da vida cristã plena do Espírito, segundo os desejos de Jesus: “Eu vim para que todos tenham vida e tenham em abundância” (cf. Jo 10,10b).
Quero ressaltar que o Grupo de Oração é a célula fundamental da Renovação Carismática Católica e caracteriza-se por três momentos distintos: núcleo de serviço, reunião de oração e grupo de perseverança.

Núcleo de serviço – servos que lideram o grupo e devem experimentar e testemunhar o batismo no Espírito Santo. Eles são responsáveis pelo Grupo de Oração, daí a necessidade da formação dos diversos serviços: acolhida, pregação, pastoreio, cura, intercessão, aconselhamento, formação, música, ação social, juventude, casais e etc, que são chamados de Ministérios pela RCC , dentro de um grupo de oração. At 2,1-4.
O objetivo do núcleo de serviço é louvar, orar, interceder pelo grupo, discernir e aplicar a orientação para o grupo. Sua missão é evangelizar e formar os membros do grupo e leva-los a uma profunda experiência com Deus, de vida no Espírito Santo, inserindo-os no conjunto da Igreja.

O perfil do participante do núcleo inclui:
  • Constância nas reuniões de oração;
  • Frutos de conversão;
  • Responsabilidade;
  • Maturidade humana e espiritual;
  • Carisma de Liderança;
  • Senso eclesial;
  • Relativa aceitação comunitária, entre outras características.

Obs.: O núcleo perfeito e orientado pela RCC  é aquele que possui os Coordenadores de Ministério dentro dele, e que o grupo já esteja formado em ministérios. A palavra ministério significa Serviço.

Reunião de oração – momento em que a multidão é evangelizada, experimenta a ação de Deus, testemunha os carismas e tem seu coração tocado. O centro deste momento é o louvor e a pregação com poder. At 2,5-41
Principais características de uma autêntica oração:
  • Centralizada na pessoa de Jesus
  • Carismática, tendo como princípio dinâmico o Espírito Santo.
  • Fraterna e alegre, as pessoas devem se sentir acolhidas, amadas e felizes durante o tempo em que ali estiverem.
  • Espontânea e expressiva, na liberdade do Espírito, o participante deve sentir-se a vontade para louvar em voz alta, cantar, bendizer e gesticular.
  • Ordenada, com um dirigente principal.

Digo ainda que a reunião de oração será mais proveitosa tanto quanto for bem preparada e dirigida, criando assim melhores condições para a ação do Espírito.
È necessário dedicar esforço e carinho na preparação da reunião, dando liberdade para que o Espírito Santo possa mudar tudo adequando à vontade do Pai.
Existem três coisas muito importantes para uma boa reunião de oração:

  1. Intercessão à Ministério de Intercessão
A intercessão ajuda no discernimento do núcleo, através de palavras e moções dadas por Deus que são encaminhadas ao coordenador do grupo.

  1. Rhema
Um termo comumente usado no ambiente da RCC e significa uma palavra inspirada ou recordada de forma atual, para o momento ou situação presente.
O rhema auxilia na preparação e ambientação da reunião, orienta o pregador para a preparação do seu ensino.

  1. Oração antecedente da equipe

É recomendável que se encontrem uma ou meia hora antes do início da reunião de oração: o dirigente principal, a equipe auxiliar, o ministério de musica, o pregador do dia, a equipe de acolhida. Estes se prepararão para conduzir em unidade a reunião.

Grupo de perseverança – Os que foram evangelizados devem ser conduzidos aos grupos de perseverança para crescerem na doutrina, na fraternidade, na participação da Eucaristia e na vida de oração. Este grupo é celeiro de onde sairão aqueles que serão formados para assumirem serviços necessários no Grupo de Oração. At2,42-47
Os grupos de perseverança são fundamentados em quatro princípios (cf. At 2,42):
a)    Doutrina dos Apóstolos
b)    Comunhão fraterna
c)    Fração do Pão
d)    Oração

Os grupos de perseverança devem formar pessoas que possam assumir lideranças; por isso é importante observar alguns sinais para reconhecer líderes em potencial: curioso, mediador, sintetizador, prático, proponente.
O Servo indicado para coordenar o grupo de perseverança deve:
  • Ser pessoa de vida de oração bem ordenada: orante;
  • Ter visão clara do que é o grupo de perseverança;
  • Ter carisma de pastoreio.


Vanderlei Pinho – Delei –Teólogo
Membro do Conselho Diocesano da RCC
Responsável pelo Ministério de Fé e Política Diocesano.
Pregador do Ministério de Formação Diocesano.

Paz e Bem! Que o Senhor Jesus dê a todos os Grupos de Oração rica sementeira.

terça-feira, 31 de julho de 2012

Saudação Angélica

AVE MARIA  (Lc. 1,28.42)
"Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo." v.28
E exclamou em alta voz: "bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre."v.42
A salvação do mundo e a salvação de cada um em particular está ligada a esta prece, foi esta prece que trouxe à terra seca e árida o fruto da vida, JESUS CRISTO. A Ave Maria é um orvalho celeste que umedece a terra, e, a alma para fazer brotar o fruto no tempo adequado. Uma alma que não for orvalhada por esta prece não dará fruto algum. "O que produz só espinhos e abrolhos, é abandonado, não demora que será amaldiçoado e acabará sendo incendiado" (Heb.6,8)
"Saibas, meu filho, e comunica-o a todos, que um sinal provável e próximo da condenação eterna é a aversão, a tibieza, a negligência em rezar a Saudação Angélica, que foi a reparação de todo o mundo." (Alano de La Roche - Bem Aventurado)
Os ímpios, os orgulhosos, e os mundanos odeiam e desprezam a Ave Maria e o terço. e ainda dizem que o terço é uma devoção efeminada, suficiente para os ignorantes e analfabetos. 
Um sinal de predestinação ao contrário é amor, e a recitação da Ave Maria com prazer. E quanto mais uma pessoa é de Deus, tanto mais ama esta oração.
A Ave Maria, rezada com devoção, atenção e modéstia, é, como dizem os santos, é o inimigo do demônio, pondo-o em fuga, é o martelo que o esmaga; é a santificação da alma, a alegria dos anjos, a melodia dos predestinados, o cântico do Novo Testamento, o prazer de Maria.
A ave Maria é um orvalho celeste que torna a alma fecunda; é um beijo casto e amoroso que se dá em maria, é uma rosa vermelha que se lhe apresenta, é uma pérola que se lhe oferece, é uma taça de néctar divino que se lhe dá.  ( Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem - S.Luís maria Grignon de Montfort.)

terça-feira, 26 de junho de 2012

COMO SURGIU O CERCO DE JERICÓ



Torna-se cada vez mais comum as comunidades adoradoras fazerem o Cerco de Jericó. De que se trata? Esta prática nasceu na Polônia. Consiste na oração incessante de Rosários, durante sete dias e seis noites, diante do Santíssimo Sacramento exposto. 

De onde veio a inspiração paro o  “Cerco de Jericó”?No Antigo Testamento, depois da morte de Moisés, Deus escolheu Josué para conduzir o povo hebreu. Deus disse a Josué que atravessasse o Jordão com todo o povo e tomasse posse da Terra Prometida. A cidade de Jericó era uma fortaleza  inexpugnável. Ao chegar junto às muralhas de Jericó, Josué ergueu os olhos e viu um Anjo, com uma espada na mão, que lhe deu ordens concretas e detalhadas. 
Josué e todo Israel executaram fielmente as ordens recebidas: durante seis dias, os valentes guerreiros de Israel deram uma volta em torno da cidade. No sétimo dia, deram sete voltas. Durante a sétima volta, ao som da trombeta, todo o povo levantou um grande clamor e, pelo poder de Deus, as muralhas de Jericó caíram… (cf. Js 6). 
O Santo Padre João Paulo II  devia ir à Polônia a 8 de maio de 1979, para o 91º aniversário do martírio de Santo Estanislau, bispo de Cracóvia. Era a primeira vez que o Papa visitava o seu país, sob o regime comunista; era uma visita importantíssima e muito difícil. Aqui começaria a ruína do comunismo ateu e a queda do muro de Berlim.  
Em fins de novembro de 1978, sete semanas depois do Conclave que o havia eleito Papa, Nossa Senhora do Santo Rosário teria dado uma ordem precisa a uma alma privilegiada da Polônia: “Para a preparação da primeira peregrinação do Papa à sua Pátria, deve-se   organizar na primeira semana de maio de 1979, em Jasna Gora (Santuário Mariano), um Congresso do Rosário: sete dias e seis noites de Rosários consecutivos diante do Santíssimo Sacramento exposto.” 
No dia da Imaculada Conceição (8 de dezembro de 1978), Anatol Kazczuck, daí em diante promotor desses Cercos, apresentou a ordem da Rainha do Céu a Monsenhor Kraszewski, bispo auxiliar da Comissão Mariana do Episcopado. Ele respondeu: “É bom rezar diante do Santíssimo Sacramento exposto; é bom rezar o Terço pelo Papa; é bom rezar em Jasna Gora. Podeis fazê-lo.” 
Anatol apresentou também a mensagem de Nossa Senhora a Monsenhor Stefano Barata, bispo de Czestochowa e Presidente da Comissão Mariana do Episcopado. Ele alegrou-se com o projeto, mas aconselhou-os a não darem o nome de “Congresso”, para maior facilidade na sua organização. Então, deu-se o nome de “Cerco de Jericó” a esta iniciativa. 
O padre-diretor de Jasna Gora aprovou o projeto, mas não queria que se realizasse em maio por causa dos preparativos para a visita do Santo Padre. Dizia ele: “Seria melhor em abril.” “Mas a Rainha do Céu deu ordens para se organizarem esses Rosários permanentes na primeira semana de maio”, respondeu o Sr. Anatol. O padre aceitou, recomendando-lhe que fossem evitadas perturbações. 
A Santíssima Virgem sabia bem que o Cerco de Jericó em maio não iria perturbar a visita do Papa, porque ele não viria. E, logo a seguir, as autoridades recusaram o visto de entrada no país ao Santo Padre, como tinham feito a Paulo VI em 1966. Consternação geral em toda a Polônia! O Papa não poderia visitar a sua Pátria. 
Foi, então, com redobrado fervor que se organizou o “assalto” de Rosários. E, no dia 7 de maio, ao mesmo tempo em que terminava o Cerco, caíram “as muralhas de Jericó”. Um comunicado oficial anunciava que o Santo Padre visitaria a Polônia de 2 a 10 de junho. Sabe-se como o povo polonês viveu esses nove dias com o Papa, o “seu” Santo Padre, numa alegria indescritível! 
No dia de 10 de junho, João Paulo II terminava a sua peregrinação, consagrando, com todo Episcopado polonês, a nação polaca ao Coração Doloroso e Imaculado de Maria, diante de um milhão e quinhentos mil fiéis reunidos em Blonic Kraskoskic. Foi a apoteose! 
Depois dessa estrondosa vitória, a Santíssima Virgem ordenou que se organizassem Cercos de Jericó todas as vezes que o Papa João Paulo II saísse em viagem apostólica. “O Rosário tem um poder de exorcismo”, dizem os nossos amigos da Polônia, “ele torna o demônio impotente.”
Por ocasião do atentado contra o Papa, em 13 de maio de 1981, os poloneses lançaram de novo um formidável “assalto” de Rosários e obtiveram o seu inesperado restabelecimento. Mais uma vez, as muralhas de ódio de Satanás se abatiam diante do poder da Ave-Maria. 
Em várias partes do mundo estão sendo realizados agora Cercos de Jericó. A 2 de fevereiro de 1986, aquela mesma alma privilegiada recebia outra mensagem da Rainha Vitoriosa do Santíssimo Rosário: “Ide ao Canadá, aos Estados Unidos, à Inglaterra e à Alemanha para salvar o que ainda pode ser salvo.” Nossa Senhora pede que se organizem os Rosários permanentes e os Cercos de Jericó, se queremos ter certeza da vitória.
Prof. Felipe Aquino